ONDE INVESTIR EM MOMENTOS DE CRISE?

Finanças

ONDE INVESTIR EM MOMENTOS DE CRISE?

ONDE INVESTIR EM MOMENTOS DE CRISE?

Olá caros seguidores!

Mais uma vez venho através do blog passar algumas dicas sobre investimentos financeiros.

Em momentos de crise e inflação alta, investimentos tradicionais como poupança, CDB’s e fundos de renda fixa de grandes bancos se tornam menos atraentes.

Os Bancos de primeira linha, os grandes bancos brasileiros, possuem menor risco de crédito que os bancos de segunda linha e, portanto, já que oferecem menos riscos, remuneram menos do que os bancos de segunda linha.

No entanto, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que é uma forma de proteção oferecida pelo Governo Federal através do Banco Central do Brasil, de dar garantias ao investidor para pequenas quantias.

Conforme informação do próprio Banco Central do Brasil , o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que administra um mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores, que permite recuperar os depósitos ou créditos mantidos em instituição financeira, até determinado valor, em caso de intervenção, de liquidação ou de falência.

Esse fundo garante o total de créditos de cada pessoa contra a mesma instituição associada, ou contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro, dentro de um limite máximo de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais) para cada instituição financeira associada ao FGC, a saber:

“São instituições associadas ao FGC a Caixa Econômica Federal, os bancos múltiplos, os bancos comerciais, os bancos de investimento, os bancos de desenvolvimento, as sociedades de crédito, financiamento e investimento, as sociedades de crédito imobiliário, as companhias hipotecárias e as associações de poupança e empréstimo, em funcionamento no País, que:

Ø recebam depósitos à vista, em contas de poupança ou depósitos a prazo;

Ø realizem aceite em letras de câmbio;

Ø captem recursos mediante a emissão e a colocação de letras imobiliárias, de letras hipotecárias, de letras de crédito imobiliário ou de letras de crédito do agronegócio; e

Ø captem recursos por meio de operações compromissadas tendo como objeto títulos emitidos, após 08.03.2012, por empresa ligada.

As instituições associadas contribuem mensalmente para a manutenção do FGC, com uma porcentagem sobre os saldos das contas correspondentes às obrigações objeto de garantia.”

São garantidos os seguintes papéis

  • depósitos à vista ou sacáveis mediante aviso prévio;
  • depósitos de poupança;
  • depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado (CDB/RDB);
  • depósitos mantidos em contas não movimentáveis por cheques, destinadas ao registro e controle do fluxo de recursos referentes à prestação de serviços de pagamento de salários, vencimentos, aposentadorias, pensões e similares;
  • letras de câmbio;
  • letras imobiliárias;
  • letras hipotecárias;
  • letras de crédito imobiliário;
  • letras de crédito do agronegócio;
  • operações compromissadas que têm como objeto títulos emitidos após 08.03.2012 por empresa ligada.

Essa medida foi regulamentada pelo Resolução nr 4222 de 23 de maio de 2013.

Diante das informações acima, sugiro que você conheça um pouco mais sobre os CDB’s e RDB’s dos Bancos de Segunda linha, que são bancos e financeiras de pequeno porte que, em função de exporem os investidores a um maior risco de crédito, remuneram bem melhor que os bancos de primeira linha.

Alguns desses bancos, inclusive, criaram um site para ofertar suas taxas com uma divulgação maior e com simulações simplificadas. Apenas reforço a necessidade de respeitar esse limite de R$ 250.000,00 para o valor futuro, ou seja, contanto já com os juros a serem pagos para o seu capital e evitando surpresas desagradáveis.

Outra dica é analisar os benefícios dos fundos de previdência privada.

Autor: Fabio Anjos

Add comment